'

Os conceitos da arte

.
Obra: “Fantasma”
Artista: Antonio Manuel
Instalação – Madeira queimada, foto, fio, flash, 1994
MAM – Rio de Janeiro


Arte Conceitual

 .
Definição: da arte conceitual:"se eu disser que é, é" .
.

Para a arte conceitual, vanguarda surgida na Europa e nos Estados Unidos no fim da década de 1960 e meados dos anos 1970, o conceito ou a atitude mental tem prioridade em relação à aparência da obra. O termo arte conceitual é usado pela primeira vez num texto de Henry Flynt, em 1961, entre as atividades do Grupo Fluxus. Nesse texto, o artista defende que os conceitos são a matéria da arte e por isso ela estaria vinculada à linguagem. O mais importante para a arte conceitual são as idéias, a execução da obra fica em segundo plano e tem pouca relevância. Além disso, caso o projeto venha a ser realizado, não há exigência de que a obra seja construída pelas mãos do artista. Ele pode muitas vezes delegar o trabalho físico a uma pessoa que tenha habilidade técnica específica. O que importa é a invenção da obra, o conceito, que é elaborado antes de sua materialização.

Instalação de Joseph Kosuth, chamada One and Three Chairs, 1965.
 O artista expõe uma fotografia de uma cadeira
uma definição de dicionário e a própria cadeira.

Devido à grande diversidade, muitas vezes com concepções contraditórias, não há um consenso que possa definir os limites do que pode ou não ser considerado como arte conceitual. Segundo Joseph Kosuth, em seu texto Investigações, publicado em 1969, a análise lingüística marcaria o fim da filosofia tradicional, e a obra de arte conceitual, dispensando a feitura de objetos, seria uma proposição analítica, próxima de uma tautologia. Como, por exemplo, em Uma e Três Cadeiras, ele apresenta o objeto cadeira, uma fotografia dela e uma definição do dicionário de cadeira impressa sobre papel.
O grupo Arte & Linguagem, surgido na Inglaterra entre 1966 e 1967, formado inicialmente por Terry Atkinson, Michael Baldwin, David Bainbridge e Harold Hurrel, que publica em 1969 a primeira edição da revista Art-Language, investiga uma nova forma de atuação crítica da arte e, assim como Kosuth, se beneficia da tradição analítica da filosofia. O grupo se expande nos anos 1970 e chega a contar com cerca de vinte membros. E Sol LeWitt, em Sentenças, 1969, sobre arte conceitual, evita qualquer formulação analítica e lógica da arte e afirma que "os artistas conceituais são mais místicos do que racionalistas. Eles procedem por saltos, atingindo conclusões que não podem ser alcançadas pela lógica".

Retrato de Iris Clert, de Rauschenberg.
O artista escreveu um telegrama dizendo:
"Este é um retrato de Iris Clert, se eu disser que é"
Apesar das diferenças pode-se dizer que a arte conceitual é uma tentativa de revisão da noção de obra de arte arraigada na cultura ocidental. A arte deixa de ser primordialmente visual, feita para ser olhada, e passa a ser considerada como idéia e pensamento. Muitos trabalhos que usam a fotografia, xerox, filmes ou vídeo como documento de ações e processos, geralmente em recusa à noção tradicional de objeto de arte, são designados como arte conceitual. Além da crítica ao formalismo, artistas conceituais atacam ferozmente as instituições, o sistema de seleção de obras e o mercado de arte. George Maciunas, um dos fundadores do Fluxus, redige em 1963 um manifesto em que diz: "Livrem o mundo da doença burguesa, da cultura 'intelectual', profissional e comercializada. Livrem o mundo da arte morta, da imitação, da arte artificial, da arte abstrata... Promovam uma arte viva, uma antiarte, uma realidade não artística, para ser compreendida por todos [...]". A contundente crítica ao materialismo da sociedade de consumo, elemento constitutivo das performances e ações do artista alemão Joseph Beuys, pode ser compreendida como arte conceitual.
Embora os artistas conceituais critiquem a reivindicação moderna de autonomia da obra de arte, e alguns pretendam até romper com princípios do modernismo, há algumas premissas históricas que podem ser encontradas em experiências realizadas no início do século XX. Os ready-mades de Marcel Duchamp, cuja qualidade artística é conferida pelo contexto em que são expostos, seriam um antecedente importante para a reelaboração da crítica dos conceituais.
Outro importante antecedente é o Desenho de De Kooning Apagado, apresentado por Robert Rauschenberg em 1953. Como o próprio título enuncia, em um desenho de Willem de Kooning, artista ligado à abstração gestual surgida nos Estados Unidos no pós-guerra, Rauschenberg, com a permissão do colega, apaga e desfaz o seu gesto.


Robert Rauschenberg 
Robert Rauschenberg comprou um desenho feito a lápis do artista plástico Willem de Kooning em 1953. Depois, apagou o desenho sem dó nem piedade e assinou a obra como se fosse sua com o nome de “Desenho de De Kooning Apagado".

 A obra final, um papel vazio quase em branco, levanta a questão sobre os limites e as possibilidades de superação da noção moderna de arte. Uma experiência emblemática é realizada pelo artista Robert Barry, em 1969, com a Série de Gás Inerte, que alude à desmaterialização da obra de arte, idéia cara à arte conceitual. Uma de suas ações, registrada em fotografia, consiste na devolução de 0,5 metro cúbico de gás hélio à atmosfera em pleno deserto de Mojave, na Califórnia.

Cildo Meireles - Quem matou Herzog?
O brasileiro Cildo Meireles, que participa da exposição Information, realizada no The Museum of Modern Art - MoMA [Museu de Arte Moderna] de Nova York, em 1970, considerada como um dos marcos da arte conceitual, realiza a série Inserções em Circuitos Ideológicos. O artista intervém em sistemas de circulação de notas de dinheiro ou garrafas de coca-cola, para difundir anonimamente mensagens políticas durante a ditadura militar.
Fonte:daqui
.

. .
. Leia neste mesmo espaço os conceitos de Ferreira Gullar, um dos maiores e mais sérios críticos de arte do Brasil na postagem:
FALANDO SOBRE ARTE - CHOVENDO NO MOLHADO (FERREIRA GULLAR)  

.
.

8 comentários:

  1. Olá querida Elma!

    Muito valiosa esta informação sobre a Arte Conceitual. Poucas pessoas dão valor ou compreendem esta arte.
    Os artistas que aderem a esta arte, eles estão a expôr as suas formas de expressão artística, onde desenvolvem o campo das ideias, reflexões e pensamentos, dando mais importância à ideia do que o objecto em si.
    Por exemplo: um artista pintar uma tela toda preta, está a fazer um suporte da sua reflexão, ou seja, para o artista pintar a tela preta é uma forma de reflectir sobre a escuridão mórbida e a morte. O artista usa somente a linguagem visual.
    Muito interessante o seu post!
    Gost muito.

    Em virtude disso, tenho uma surpresa para ti no meu espaço. Dá lá uma olhada querida!

    Grata,
    Lumena

    ResponderExcluir
  2. SHUASASHUASHUASHUASH Cara, não acredito q ele fez isso.
    Bom enfim... A informação está demais mesmo!
    Amei saber disso, eu tinha uma ideia vaga sobre a arte conceitual.
    Agora posso falar sobre isso.
    Valeww
    esse blog é muito importante pras pessoas!

    ResponderExcluir
  3. Malandro esse Robert Rauschenberg hehehe, gostei da idéia!

    ResponderExcluir
  4. Interessante pelo pensamento inquisitor!

    "Livrem o mundo da doença burguesa, da cultura 'intelectual', profissional e comercializada. Livrem o mundo da arte morta, da imitação, da arte artificial, da arte abstrata... Promovam uma arte viva, uma antiarte, uma realidade não artística, para ser compreendida por todos [...]"

    ResponderExcluir
  5. Por favor queria saber qual foi o conceito de arte do Paul Klee , Rebent Real e Nauro Gabo.

    ResponderExcluir

Obrigada por chegar até aqui. Seu comentário será valioso para que eu receba através dele, a sua opinião, prova da nossa interação.

Esse blog foi feito para você.

" ARTE é o conhecimento usado para realizar determinadas habilidades ou beleza transcendente de um produto de atividade humana".


Elma

Copyright © 2013 Espaço das Artes and Blogger Templates - *.